Escolas municipais aderem à greve nacional.

As escolas municipais de Teixeira paralisaram as atividades nesta quinta-feira, 03 de outubro. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) convocaram essa Greve Nacional dos Estudantes.

O secretário de Educação, João Batista Filho, falou sobre a paralisação aqui em Teixeira. “Nossa cidade nunca deixou de participar de uma boa luta, sempre estaremos buscando melhorias para nossos filhos”. Frisou o secretário.

Para o prefeito ‘Nego de Guri’ a educação é a base de tudo. “Devemos lutar sempre pelos nossos direitos, Teixeira nunca fugiu de uma boa luta e continuaremos à lutar sempre”. Disse o prefeito.

Entre outras reivindicações estão também: Contra a privatização e cortes na educação, pela renovação do FUNDEB, pela unicidade sindical.

De acordo com os apoiadores do movimento, a greve é uma resposta aos ataques sofridos pela categoria desde o início do Governo Bolsonaro.

O SINTEP-PB informou que o objetivo da greve é revisão imediata do PCCR para mais segurança nas escolas, garantia da oferta de ensino presencial para a EJA e regularização da jornada de trabalho dos professores das Escolas Integrais.

Segundo o sindicato, a retirada de verbas da Educação, atraso no repasse dos subsídios aos programas de pesquisa e desenvolvimento, a militarização das escolas, ataque à liberdade de cátedra, o fim dos recursos do petróleo para a Educação, com a privatização da Petrobras, são atitudes autoritárias do governo.

De acordo com os sindicatos da categoria, até o início desta manhã, pelos menos 63 escolas informaram que suspenderiam as atividades parcial ou integralmente.

SECOM