Eleição: Conselheiros Tutelares foram reeleitos em Teixeira. Apuração entrou pela madrugada.

Uma eleição transparente, coerente e com responsabilidade, foi assim que a secretaria de ação social promoveu o pleito. Já era madrugada quando os teixeirenses conheceram o resultado das eleições unificadas do Conselho Tutelar e não houve muita novidade, tendo em vista, que todos os membros do atual colegiado foram reeleitos e ficarão em defesa dos direitos das crianças e adolescentes da cidade. A eleição aconteceu das 8h às 17h na Escola José Elias de Amorim com bastante movimentação.

Segundo a organização do pleito nada de anormal foi verificado, todas as regras foram cumpridas rigorosamente. Após voto a voto, o teixeirense que foi as urnas para com voto manual eleger os 5 membros que passarão mais quatro anos. Durante a tarde bastante movimentação de candidatos e fiscais pela escola, além de um grande público que em certos momentos fez filas nas salas.

Eram cinco horas pontualmente quando as portas da Escola foram fechadas, ainda houve eleitores que ficaram sem votar. E após reuniões da comissão especial eleitoral, assinatura de atas e verificação do lacre das urnas acompanhado por fiscais, a contagem voto a voto foi iniciada.

Em quatro mesas, cinco pessoas cantavam os votos que eram anotados pelo presidente. Mesmo sendo eleição manual, em relação ao resultado da última eleição a contagem de votos ocorreu de forma rápida. A transparência e a ética dos profissionais da junta de apuração foram verificadas pelos candidatos e fiscais que acompanharam a contagem.

Por volta das 00h40, o resultado. Como mais bem votado o Emerson Dionísio (Mércio) com 1004 votos, sendo seguido por Edilson Alexandre (Dudu) com 988 votos, Luã Jonhasson (Luãn de Dejac) com 757 votos, Josileudo Silva (Bebé de Zé Bento) com 748 votos e Yago Lucena- 740 votos.

Na suplência ficaram os candidatos Felipe da D20 com 720, Kuka com 719, Jucelino com 672 votos, Renan Santos com 619 votos e Raylanny Lima com 617 votos.

Comissão de Apuração dos Votos

Texto: Vitinho Galdino